Arte, povos e a verdade verdadeira

 

Perguntemos para uma das comunidades presente no Brasil muito antes de os Europeus aqui chegarem.

Para os Guarani M’Byá, os humanos somos chamados a ser verdadeiros porque Nhanderu – Nosso Pai Primeiro Último – nos fez à sua imagem como PALAVRAS-ALMAS VERDADEIRAS.

Assim, o verdadeiro está ligado não ao que é exato, mas àquilo que realiza plenamente o projeto que vem de dentro de cada ser, de dentro de cada comunidade. Eles dizem: Nhanderekó – nosso jeito de viver – é a verdadeira realização do projeto que Nhanderu nos confiou. É um projeto de beleza.

HÁ QUE LEMBRAR SEMPRE A OBRA DE ARTE QUE VAMOS SENDO: PALAVRAS VERDADEIRAS.

Na língua tupi e também no Guarani M’byá atual, o sufixo –eté expressa aquilo que é verdadeiro, aquilo que não pode ser esquecido, o que está no coração. Assim é que yaguar serve para vários animais: desde cachorro até onça. Quando junta –eté, aí quer dizer que tem muito valor, que é autêntica. Jaguareté é a “onça máxima”, a mais excelente, veloz, forte, verdadeira. Já o contrário faz-se com –ana, no sentido de fracasso. Parece mas não é. Jaguareté é onça verdadeira, jaguarana é cãozinho medroso que foge até de macaco…

Assim também, a festa é areté, isto é, o tempo (ara) autêntico, verdadeiro (eté). O tempo verdadeiro não é o que se gasta explorando e contabilizando lucros, mas é o tempo da beleza transbordante e compartilhada.

A Terra pode ser yvyeté, se é a terra boa e fértil, mas não será assim chamada se foi contaminada de agrotóxicos, devastada de injustiças. A terra cheia de violência e exploração não será yvyeté pois os humanos perderam o que é autêntico, deixaram de lado a busca pela yvy maran ei – a terra sem males.

Tietê era o rio verdadeiro. Do jeito que está era melhor chamar Ti-ana.

O ser humano bom mesmo, é ava-eté (ou Abaeté), ou seja, o ser humano de verdade.

 Yawaretê

Milton Nascimento
Senhora do fogo, Maria, Maria. Onça verdadeira, me ensina a ser realmente o que souPõe a sua língua na minha ferida. Vem contar o que eu fui, me mostra meu mundo. Quero ser jaguaretê

Meu parente, minha gente. Cadê a família onde eu nasci?

Cadê meu começo, cadê meu destino e fim?

Para que eu estou por aqui? Senhora da noite, senhora da vastidão

Tem de guerrear, lutar, matar prá sobreviver pois assim é a vida

Quem vem lá? É a onça que já vem comer
Quero ser a onça, meu jaguaretê.

Quero onçar aqui no meu terreiro. Vou onçar sertão e mundo inteiro.

Já está na hora da onça beber o seu. Vou dançar com a lua lá no céu

Ouvir pegadas e pegar. Seguir a sina de sangrar prá se alimentar

Dama de fogo, Maria, Maria,
Onça de verdade, quero ter a luz, ouvir o som caçador
Me diz quem sou, me diz quem fui

me ensina a viver meu destino 

Me mostra meu mundo, quem era que eu sou.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>